Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

O elo mais forte: o valor dos contos nagô

Compartilhe:
sem-titulo-1

É com muita alegria no coração que leio “Peregun e Outras Fabulações da Minha Terra” do amigo e irmão Félix Ayoh’ Omidire, que aproveita nossos laços identitários alicerçados numa civilização milenar.

‘’ Pela força da história, os iorubanos passaram a ter uma ativa atuação intercontinental, uma parte significativa da população forçada para o outro lado do Atlântico, em condição de extremos constrangimentos, nunca deixou de lutar para não permitir morrer o que há de mais livre em cada ser humano, a sua cultura que constitui a sua única e verdadeira identidade.’’

Há pouco tivemos o (re)lançamento das obras de Mestre Didi, que fundou entre nós uma escritura que adapta a narrativa da comunicação direta do acervo de contos emergentes da comunalidade africano-brasileira.

Esses relançamentos enriquecem sobremaneira não só as relações da comunalidade negra ampliando os raios de comunicação de suas riquezas culturais, mas também a própria sociedade brasileira, acrescentando um gênero literário que sobressai no cenário de nossa pujante herança africana.

Os contos que originalmente, em nossa terra por um lado, fazem parte do acervo das comunidades-terreiro, também eram parte da narrativa dos contadores de histórias, os apalos que percorriam cidades e fazendas de nosso interior, se apresentando com música e danças dramáticas, ensinando lições de vida e de existência baseado nos valores éticos e estéticos e visão de mundo nagô. Nessas narrativas, personagens de animais, especialmente o jabuti, ocupam a cena principal.

Em diversas ocasiões nos referimos a essa literatura no Brasil. ‘’ Vemos um estilo que se aproxima muito mais da chamada narrativa oral do que da narrativa escrita. A plasticidade das imagens, as analogias, as alegorias, os diálogos dramatizáveis, a maneira negra de falar, o português dos antigos africanos, procuram adaptar e ilustrar no plano do texto, o complexo contexto simbólico nagô.’’

Da mesma forma, PEREGUN… reúne os contos adaptando-os à escrita e além disso à necessidade de realizar a continuidade da tradição cultural negro-africana reforçando os elos dos valores estéticos de nossa comunalidade transatlântica.

Os contos yorubá enfatizam a dimensão transcendente do existir, através das narrativas que englobam o fantástico, o mundo contíguo e atuante entrecruzando-se entre as fronteiras do cotidiano consciente e o bizarro latente, o indescritível, o inefável, o surpreendente.

Nele, as categorias de aiyê, este mundo e orun, o além, constituem uma relação de diferença contígua e dinâmica. A função restituidora das oferendas, o fluxo do axé, os ebós, e o conhecimento profundo dos babalawô (pais dos mistérios, conhecedores do oráculo de ifá) pode minimizar o caos oriundo do desconhecido.

Nessa medida a ética dos contos é principalmente a de procurar demonstrar essa característica do existir, isto é, o conflito entre tendência da anomia caótica de um lado, e da tentativa de controle do outro, baseado nas liturgias da religião tradicional. Em ambos aspectos o mistério, o segredo, incluso o não saber, o desconhecido se pronunciam.

Nesse ponto mais do que nunca o fluxo da existência contido no processo civilizatório negro africano, espalhado pelo ‘’novo mundo’’ nos incluem num compromisso, num comprometimento com as ‘’obrigações’’ para que os destinos se desenvolvam e esse mundo não se acabe.

Com certeza, o livro de Ayoh’ Omidire é um reforço para a manutenção do elo mais forte de nossos vínculos com a África, berço da humanidade e da civilização.

PRESENÇA DOS CONTOS NO PROCESSO EDUCATIVO

Os contos da tradição nagô foram recriados na experiência pioneira de educação pluricultural MINI COMUNIDADE OBA BIYI. Adaptados por Mestre Didi ele constituíram a base do currículo.

Outras experiências se desdobraram através da divulgação dessa experiência original através dos trabalhos de Marco Aurélio Luz dentre os quais o livro em co-autoria com Mestre Didi “Oba Biyi o Rei Nasce Aqui”(Fala Nagô,2007).

A Doutora Narcimária do PatrocÍnio Luz escreveu “A Canção do Infinito”(2009)e os integrantes da equipe pedagógica da Associação Crianças Raízes do Abaeté(Acra) orientaram as crianças e jovens para a encenação. Demais encenações e narrativas dos contos se espalham enriquecendo processos educacionais.

Fonte: Por Dentro da África.

Deixe seu comentário:

Redes sociais

Últimos eventos

Aproveite

Aproveite